Expo: Places of the mind. British watercolour landscapes 1850–1950

John Ruskin, no início do século XIX, defendeu e incentivou os pintores a saírem para a natureza e a pintarem as paisagens ao natural e não no estúdio como era prática corrente. Na sociedade vitoriana os ingleses passaram a olhar para o seu campo como um mundo em vias de desaparecimento e formou-se um mercado considerável de encomendas de aguarelas da vida típica do campo inglês. Estas aguarelas devem tanto ao realismo (os pormenores são pintados com precisão) quanto ao idealismo (descreve-se um campo que na verdade nunca existiu a não ser na idealização do pintor e dos amadores). Londres British Museum

Sem comentários:

Enviar um comentário