Bertrand Tavernier: Voyage à travers le cinéma français (2016)

Há muito tempo que esperava por uma obra como esta de Bertrand Tavernier, uma evocação pessoal da história do cinema francês, à semelhança do que Martin Scorsese fez com o cinema americano. O resultado é fascinante. A viagem pelo cinema francês é realmente muito pessoal e abrange filmes produzidos entre os anos 30 e os anos 70. Começa por Jacques Becker, realizador do primeiro filme que marcou o menino Tavernier, embora na altura não soubesse quem era o realizador. Temos então um primeiro capítulo dedicado a um dos realizadores preferidos de Tavernier, seguindo-se evocações mais ou menos longas de Marcel Carné, Jean Renoir, Edmond T. Gréville e Jean Gabin. Ainda da época anterior à nouvelle vague, há dois capítulos muito interessantes. Um é dedicado à música dos filmes e é um dos momentos altos do documentário. Jaubert e Kosma são destacados mas os compositores franceses que trabalharam para o cinema são valorizados porque, ao contrário do que aconteceu nos EUA à época, trabalharam em estreita cumplicidade com os realizadores e introduziram no cinema uma paleta de timbres (guitarra, sax) que o sinfonismo americano predominante não estimulava. Outro capítulo que se destaca é dedicado a Eddie Constantine, que impôs uma personagem que marcou a juventude de Tavernier. Dos anos 60 e 70 o cineasta evoca de forma mais demorada Godard, Sautet, Melville e Rozier, para além do produtor Beauregard. Portanto, grandes nomes nem sequer citados são, pois o que importou foi a evocação de autores com quem ele trabalhou ou que ele admira(va). Um documentário belo e necessário. Paris 4/5 

Sem comentários:

Enviar um comentário