Teatro: Chacun sa vérité (Pirandello,1917)

Um funcionário público chega a uma cidade com a mulher e a sogra, mas esta fica a viver num apartamento à parte e nunca se encontra com a filha. Esta fica fechada em casa, de onde nunca sai. Todos os três se vestem sempre de preto. Os habitantes da cidade não descansam enquanto não souberem a verdade desta família e não recuam na invasão da sua privacidade. Onde está a verdade? O que separa a realidade da ilusão?
Foi a primeira vez que tomei contacto com o universo sui generis de Luigi Pirandello. Chacun sa vérité é o título francês de Così è (se vi pare), a peça de teatro que Pirandello tirou em 1917 do seu próprio conto (de 1915) "A senhora Frola e o senhor Ponza, seu genro". A versão francesa, Chacun sa vérité, foi criada em Paris, no Théâtre de l’Atelier, em 1924. Ontem assisti à produção do Théâtre du Nord-Ouest e foi uma maravilha descobrir tão brilhante texto animado por atores incríveis. 

Sem comentários:

Enviar um comentário