Leitura: Simone de Beauvoir. Ecrire la liberté (Gallimard Découvertes, 2008)

Bastou um livro, Le Deuxième Sexe (1949), para tornar célebre Simone de Beauvoir. Essa obra está na origem do movimento feminista internacional: quantas obras têm esse mérito, dar origem a uma nova forma de ver o mundo e, por conseguinte, de mudá-lo? Esta breve biografia de Beauvoir, escrita por Jacques Deguy e Sylvie Le Bon de Beauvoir, é uma excelente introdução à vida e à obra da escritora, que começou por escrever romances e foi consagrada com o prestigiado prémio Goncourt em 1954 por Les Mandarins. Reconheço que não fiquei com vontade de ler os romances de Beauvoir, mas sim os ensaios e os livros autobiográficos como Mémoires d'une jeune fille rangée (1955). Mas a sua vida privada (a relação sui generis com Sartre), a sua procura de intervenção militante social em vários momentos charneira da sociedade francesa, e a sua paixão pelas viagens, são outros aspectos abordados no livro com a devida atenção. Caso para dizer: não apenas a obra mas também a vida de Simone de Beauvoir marcaram o século XX. PV 4/5

Sem comentários:

Enviar um comentário