The White Crow (Ralph Fiennes, 2018)

Este biopic de Rudolf Noureev centra-se em três momentos da sua vida antes da celebridade. A fuga do dançarino para o Oeste, os anos de formação e a sua infância. São apresentados de forma alternada mas sem qualquer brilho que singularize este filme de outros do género. Mas a história da fuga de Noureev vale bem um filme. Paris Bastille 3/5

Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos (João Salaviza, 2018)

Pouco a pouco vamos vendo mais filmes sobre as comunidades de índios da América do Sul. Um realizador português interessou-se por essa realidade e fez um filme que, sendo uma ficção, não prescinde de um olhar documental e antropológico. E nesta história os índios não são mostrados isolados mas sempre em contacto com os não-índios. Interessante. Paris 2,5/5

Somewhere in the Night (Joseph L. Mankiewicz, 1946)

Este é o segundo filme de Joseph L. Mankiewicz como realizador e por ele vemos que Mankiewicz não estava talhado para o cinema noir. Um soldado (John Hodiak) recupera de um ferimento de guerra (1945) mas está amnésico, não sabendo nada da sua identidade. Vai proceder a uma investigação do seu passado, com descobertas surpreendentes. Terá sido ele um assassino? Com John Hodiak, Nancy Guild, Lloyd Nolan, Richard Conte. Foi reposta uma cópia nova do filme em França em 2013. Paris 2013 Le Champo & 2019 Cinémathèque 2,5/5

Men in Black International (F. Gary Gray, 2019)

A organização MIB tem um traidor no seu seio, que utiliza os seus meios para deitar a mão a uma arma nuclear e passá-la à Colmeia, que fora neutralizada pelos MIB em tempos. Chris Hemsworth e Tessa Thompson são os agentes que vão recuperar a arma para o inimigo e depois voltar a pô-la em boas mãos. Um bom filme de entretenimento. Com Chris Hemsworth, Tessa Thompson, Kumail Nanjiani, Rebecca Ferguson, Rafe Spall, Laurent, Larry Bourgeois, Liam Neeson e Emma Thompson. Paris Bercy 2,5/5

Carol for Another Christmas (Joseph L. Mankiewicz, 1964)

Uma variante do célebre conto de Dickens, A Christmas Carol. Um ex-militar reformado vive de forma solitária e egoísta virado para o passado: o seu filho morrera na guerra e desde então o pai desconfia de todas as bondades do mundo. Ultra-direita, anti-comunista primário, recusa qualquer acto de solidariedade entre os indivíduos e entre os povos. Na noite de Natal vai ter a visão do estado em que o mundo ficará se todos procederem como ele. O filme é a única realização de Mankiewicz para a televisão e foi feito para sensibilizar a opinião pública para a importância das Nações Unidas, criada na altura. O argumento é de Rod Serling, e tem entre os atores, Sterling Hayden, Peter Sellers, Robert Shaw, Ben Gazzara. Paris Cinémathèque 2/5

Bunuel en el laberinto de las tortugas (Salvador Simó, 2018)

Depois do escândalo de L'âge d'or, Bunuel não encontrou meios para financiar outro filme. Um amigo espanhol dá-lhe o dinheiro e parte com ele para as Hurdes, na estremadura espanhola, para fazer um documentário (Les Hurdes Terre sans pain). Este bom filme de animação conta a história da filmagem desse documentário, incluindo excertos do filme. Paris Les Halles 3/5

Fair Game (Mario Andreacchio, 1986)

Fair Game é um thriller de série B que explora como outros filmes australianos o perigo à espreita nas regiões do deserto. Uma jovem e bela mulher ocupa-se de uma reserva natural que é invadida por três homens que caçam cangurus mas logo a seguir tentam caçá-la a ela. É um bom filme de caça ao homem, uma mulher neste caso, que se cruza com a temática dos filmes rape and revenge. Realização de Mario Andreacchio, argumento de Rob George. Paris Cinémathèque 3/5

Tosca (Puccini, 1899)

Tosca tem duas ou três árias inolvidáveis, que têm uma vida própria para além da trama que lhes dá sentido. São invariavelmente aplaudidas, até parece que as pessoas foram à ópera por causa delas. No entanto quando penso em Tosca penso no seu valor dramatúrgico, na rápida sucessão de eventos que em poucas horas leva à morte os seus protagonistas. E a produção da Royal Opera House a que assisti assegura na perfeição a tensão que a trama exige. Foi muito bom. Londres Covent Garden 4,5/5

Zombi Child (Bertrand Bonello, 2019)

Visualmente impactante, o filme de Bonello falha na evocação do ritual vaudou numa história de adolescentes da élite que estudam numa escola que visa perpetuar certos valores franceses. Tudo isto dá que pensar mas entretanto o espectador aborrece-se... Paris 2/5

Le Testament de tante Caroline (Albert Roussel, 1932)

A tia Carolina morre e deixa a fortuna em testamento a um sobrinho-neto que ainda está por aparecer...as sobrinhas apressam-se a engravidar para receberem aquilo que pensavam já estar garantido... Em pleno domínio da opera buffa, Roussel assina uma obra lírica saborosa que alguém teve a boa ideia de ressuscitar. Paris Théâtre de l'Athénée 3/5